Feeds:
Posts
Comentários

Você, em sua melhor versão

Nunca levei tão a sério a máxima de Nietzsche “Torna-te aquilo que és!” como após tratar de gente que se vê triste e isolada por não se reconhecer autêntica em sua própria imagem corporal. Realmente é triste.

Com o meu trabalho, mais e mais percebo uma sociedade que impõe a estética [impossível] de uma “beleza magra”, excluindo do seu meio qualquer padrão que não esteja pré determinado, o que favorece sentimentos de desprezo e menos valia em relação a este próprio corpo, agora um desconhecido.

Em 2003, a enfermeira Carolina Zottis, sob orientação da Dra Liliana Maria Labronici, escreveu a monografia: “O Corpo Obeso e a Percepção de Si” e constatou que haviam vários mecanismos de defesa, incluindo a negação do corpo e o isolamento como comportamentos freqüentes e associados à baixa auto estima nos obesos. Mesmo sendo mecanismos relativamente inconscientes, envolvem um grau de autodecepção e alteração da realidade, são respostas mal adaptadas ao estresse e que têm como significado a insatisfação consigo mesmo.

Nas pessoas que sofrem de transtornos alimentares, como anorexia e bulimia, os artigos de Saikali e cols.[2004] e Timerman e cols.[2010] publicados na Revista de Psiquiatria Clínica, mostraram um controle patológico do peso ou uma supervalorização da forma corporal: o medo inexplicável de ganhar qualquer grama levando a críticas muito severas, comparações injustas sobre sua aparência e crença de que outros que as cercam possam pensar exatamente como elas em relação ao seu corpo. Estudos e opiniões de especialistas descrevem que as inseguranças pessoais, a busca por aprovação e a dinâmica familiar mantém este quadro.

Nos exemplos dos obesos ou daqueles com transtornos alimentares o ideal está em priorizar o acompanhamento clínico com uma equipe multidisciplinar dedicada a identificar e cuidar do sintoma que se manifesta como “distorção da imagem corporal”.

Mas, nem sempre somos cercados por extremos.  E quando queremos rever ou reaver nossa imagem corporal?

Muitas mudanças internas são acompanhadas de uma imensa vontade de mostrar-se pleno de alguém que sempre esteve em você, mas não havia chance para se apresentar da forma como verdadeiramente se constitui.

Embora aja toda uma pressão da mídia para sermos quem não conseguimos ser, há profissionais que trabalham para que cada indivíduo possa se [re]conhecer na sua individualidade.  São aqueles que estimulam seus pacientes a se perceberem – em sua totalidade – além do peso.  Aqueles que parabenizam todas as conquistas, não poupam explicações que deixem seus “pupilos” esclarecidos e prontos para seguir seus próprios caminhos com o corpo que lhe dê alegria e satisfação.

Para os que não sabiam também existe um curso no SENAC [Consultoria de Imagem] e gente muito antenada [como o pessoal do Studio Immagine] que acredita que a imagem reflete valores, objetivos e comunica – através da apresentação do corpo – uma mensagem conectada com seu o interior.  Afinal, como disse a professora e consultora Luciana Ulrich, membro da Associação Internacional de Consultores de Imagem e que dá muitas dicas em seu blog:  “Porque todos têm, sim, sua melhor versão”.

A impaciência dos doentes que querem ser consultados por trás de um computador…

Não é nada incomum recebermos pedidos de avaliações de exames e de opiniões diagnósticas por comentários em nosso blog. E, quando não encontram as respostas como queriam, alguns insistem ou agridem com novos comentários, desgostosos da vida, reclamando sobre a falta de resposta técnica sobre seu caso clínico. Outros poucos, mais ousados, dizem que a médica não precisa temer “perder dinheiro”, desrespeitando e mal entendendo o propósito de um espaço de informação médica séria e ética.

Promover a saúde é diferente de prestar consulta por e-mail ou telefone e o cuidado com a informação prestada e as suas relações já, há muito tempo, foi ementa do Conselho Regional de Medicina e pode ser facilmente consultada por todos, em livre acesso:http://www.cremesp.org.br/?siteAcao=PesquisaLegislacao&dif=s&ficha=1&id=3217&tipo=RESOLU%C7%C3O&orgao=Conselho%20Regional%20de%20Medicina%20do%20Estado%20de

Além disso, para aqueles mais atentos, puderam acompanhar pela mídia [sugiro um texto bem acessível:  http://noticias.r7.com/saude/noticias/conselho-proibe-consulta-medica-por-telefone-e-internet-20110818.html], a posição do Conselho Federal de Medicina, que, em minha opinião, foi uma garantia à confiança na relação médico-paciente – que se baseia em princípios morais – e evitando que haja qualquer desequilíbrio entre o nível de entendimento do paciente e a informação disponível, privacidade pessoal incerta ou mesmo informações médicas incompletas, tendenciosas ou imprecisas. Palavras podem ser claras para quem as escreve, mas nem sempre a mensagem chega assim para quem as lê.

Claro que também há benefícios nos websites gerais de informação em saúde e suas redes: as aplicações voltadas para a área educacional, acesso eqüitativo às informações, a transparência em disponibilizar conceitos que, se conhecidos pelos usuários, poderiam provavelmente afetar o entendimento e suas atitudes frente à doença.

Mas, o que gostaria de pedir aos usuários, que repetidamente confundem acesso à informações democratizadas com consulta médica propriamente dita, é que abram o precedente de pensar o que isto pode significar. Como expressar uma opinião de valor sobre uma pessoa que está doente, apenas olhando seus resultados de exames, sem conhecê-la pessoalmente em sua biografia e relações sociais, trazendo sua história clínica, sem examinar seu corpo? Não seria desumano dar um tratamento apenas “numérico” a um paciente? Será deste tipo de médico que alguém precisa? Ninguém quer ser mais um em nenhuma instância de sua vida. Porque as pessoas são únicas e importantes, sejam elas pacientes ou médicos.

Esta é a parte do post que responde porque não é “perder reais” ou uma mera questão financeira ou reserva de mercado que mantenho [como muitos bons colegas] a resposta: “Espero que compreenda que a informação médica via Internet pode complementar, mas nunca substituir a relação pessoal entre o paciente e o médico. Pelas suas limitações, não deve ser instrumento para consultas médicas, diagnóstico clínico, prescrição de medicamentos ou tratamento de doenças e problemas de saúde. A consulta pressupõe diálogo, avaliação do estado físico e mental do paciente, sendo necessário aconselhamento pessoal antes e depois de qualquer exame ou procedimento médico.”

Saber usar a distância entre as pessoas, estando escondido atrás de uma máquina que nos responde sobre quase tudo, pode ser uma grande saída para matar a saudade de um amigo distante, escolher o sapato de liquidação, acompanhar suas ações na bolsa. Garanto que também é um excelente meio de se atualizar – se pesquisar em bons sites –  sobre várias características das doenças. Mas são pessoas que ficam doentes. E cuidar é um ato de pessoa para pessoa. Não de pessoa para doença. Eu cuido. Exerço esta profissão. Ser profissional implica em ter honorários, dedicar-se ao estudo e pesquisa, gostar de gente. O bônus? Publicar posts para que muitos leitores possam compreender algumas das informações de saúde e endocrinologia. Boa leitura!

Vencer preconceitos melhora a adesão ao tratamento e seus resultados 

Dois terços dos americanos estão acima do peso ou obesos, e no Brasil, os dados acerca do sobrepeso/obesidade demonstram um crescimento na sua prevalência entre as décadas de 70 e 90. Os dois aspectos mais apresentados como relacionados a este quadro são o aumento do fornecimento de energia pela dieta e redução da atividade física, configurando um “estilo de vida ocidental contemporâneo”. Mas, não bastando morbidades físicas, há uma oculta: a falta de apoio e julgamento com que muitos ainda tratam pessoas que se esforçam para perder peso.

Não é infreqüente o paciente ver-se na situação de que a única resposta que encontra é que a obesidade está na raiz de todos os seus problemas. A Dra. Rebecca Puhl, da Universidade de Yale e diretora do Rudd Center for Food Policy and Obesity, mostrou reclamações de pacientes sobre comentários em seus atendimentos: “você precisa aprender a ficar longe da mesa”, ou, comentário, em voz alta, enquanto o paciente estava na sala de espera: “se estas pessoas tivessem alguma força de vontade, não estariam aqui”. Nesta pesquisa, os pacientes obesos freqüentemente se sentiram estigmatizados nos serviços de saúde e eram mais propensos a evitar os cuidados preventivos de rotina, e quando o faziam, poderiam receber assistência comprometida. Assim, eles seriam vulneráveis à depressão, baixa auto-estima, ansiedade, e, consequentemente, menos propensos a sentir-se motivados a adotar mudanças de estilo de vida, envolvendo-se em padrões alimentares pouco saudáveis e evitando a atividade física, agravando o ganho de peso.

Simplificando, a comunicação inadvertidamente ostensiva ou formas sutis de preconceito, que afetam negativamente o cuidado com pacientes, deve ser reconhecida como grave, e os profissionais devem estar atentos em sua prática clínica. Mas, nem só nos consultórios presenciamos estas situações, cada vez mais, em supermercados, ônibus, cinemas, há olhares tendenciosos que sempre apontam para excesso de peso.

 

Estratégias que estimulam a boa interação e a perda de peso

É fundamental reconhecer as atitudes pessoais e suposições sobre o peso corporal, que podem gerar preconceitos ou estigmas. Pergunte a si mesmo:

• Preciso fazer suposições sobre o caráter, inteligência, saúde, estilo de vida ou comportamentos de alguém com base apenas no peso corporal?
• Estou confortável trabalhando/interagindo com pessoas de todos os tamanhos?
• Que tipo de feedback dou aos meus conhecidos/pacientes obesos?
• Sou sensível às necessidades e preocupações dos pacientes obesos?
• Quais são os estereótipos comuns sobre as pessoas obesas? Eu acredito que estas sejam verdadeiras ou falsas? Quais são as minhas razões para estas crenças?
Adotar uma comunicação eficaz é a chave para a prestação de cuidados de saúde com qualidade. Isso pode ser especialmente importante em pacientes obesos, principalmente aqueles que experimentaram as interações negativas com outros profissionais. É importante abordar as conversas sobre o peso corporal e a obesidade de forma sensível.
Pode ser difícil discutir sobre questões de saúde relacionadas ao excesso de peso, mas deve ser claro que toda a terminologia técnica usada não ofenda ninguém. Para que a conversa flua, o paciente deve se sentir confortável com os termos usados. Abordagens interativas, estilo de escuta empática aumentam a confiança, enfatizam a discrepância entre os objetivos pessoais e comportamentos atuais da saúde.
As perguntas abertas, sem julgamentos, amparam e aproximam as pessoas envolvidas:
• Como você se sente pronto para mudar seus hábitos alimentares e / ou comportamentos do estilo de vida?
• Como o seu peso atual afeta a sua vida agora?
• Que tipo de coisas que você fez no passado para mudar seus hábitos alimentares?
• Quais as estratégias que funcionaram para você no passado?
• Em uma escala de 1 a 10, como você estaria preparado para fazer mudanças em seus hábitos alimentares?
Respondendo a estas questões, a compreensão dos pacientes é mais clara e eles passam a ser agentes nas decisões que afetam sua saúde.
O tratamento deve também ser livre de preconceitos. Isso significa o reconhecimento de que a obesidade é produto de muitos fatores – uma interação complexa de contribuintes genéticos, biológicos, sociais, ambientais e psicológicos. Da mesma forma, é importante explorar todas as causas antes assumir que o peso corporal é o único alvo de intervenção.
Ao estabelecer as metas para o tratamento, a ênfase ocorre nas mudanças de comportamento e não apenas na diminuição de peso na balança. Definir metas específicas, realistas, mensuráveis e com respeito aos hábitos alimentares e atividade física aumenta a probabilidade de sucesso e mostra a importância da saúde ao invés de magreza. Finalmente, devemos discutir sobre benefícios da perda de peso que, mesmo pequena, pode resultar em uma melhoria considerável na saúde. Poucos dos pacientes muito obesos alcançam o peso “ideal”, mas muitos podem experimentar ganhos significativos para a saúde, com uma redução de 5% ou 10% no seu peso.
Buscar apoio, não só a gerência do peso, bem-estar, livre do estigma garante a dignidade e respeito num atendimento descomprometido de atitudes preconceituosas. O cuidado sensível e compassivo cria experiências de saúde que infundem esperança, ao invés de vergonha, nesta população de pacientes vulneráveis.

A obesidade é atualmente um dos problemas de saúde pública que mais nos preocupa. Em parte por seu aumento nas populações e todas as morbidades que acarreta, sendo difícil corrigir todos os seus fatores de risco. Nos Estados Unidos cresceu 48% nos últimos 15 anos, anulando os ganhos de saúde atingidos pela redução de 20% do tabagismo sobre o mesmo período de tempo. No Brasil, a obesidade aumentou entre 1989 e 1997 de 11% para 15%, sendo maior no sudeste do país e menor no nordeste. Por outro lado, muitas vezes não considerados na lista de fatores de risco para a obesidade, os medicamentos podem estar contribuindo para o aumento da circunferência da cintura da população, conforme artigo publicado pelo grupo do Dr. Cheskin e colaboradores no South Medical Journal.
Ao contrário de uma dieta pobre ou falta de exercício, os medicamentos, por si só, não são um caminho rápido para a obesidade. Eles contribuem, desfavoravelmente, com os vários esforços de uma pessoa na modificação do seu estilo de vida.
Várias classes de medicamentos atuam no sistema nervoso central, alterando a região do hipotálamo e os centros de saciedade e da fome através de mecanismos ainda não totalmente esclarecidos. Medicamentos podem alterar a quantidade e tipo de alimento que uma pessoa escolhe, provavelmente perturbando o equilíbrio e aumentando o apetite. Tais interações alimento-droga são pouco descritos na literatura médica.
As discussões mostram que médicos hesitam em informar aos pacientes sobre o potencial dos medicamentos para alterar o apetite com receio que o paciente conclua, erroneamente, que apenas a droga prescrita é responsável por seu ganho de peso e, portanto, não dê a devida importância para a modificação do estilo de vida.
Em contrapartida, discutir abertamente os potenciais efeitos de um possível aumento de peso das medicações traz também vantagens. Por exemplo, pacientes obesos com muitas morbidades associadas, tendem a tomar vários remédios. Claramente, quanto maior o número de remédios tomados, potencialmente maior a possibilidade de interações medicamentosas indesejáveis, incluindo aqueles que influenciam no aumento do apetite. As crianças e os indivíduos com diagnósticos de doenças mentais são outras populações a risco.
São inúmeras as categorias de medicações que favorecem o acúmulo do tecido adiposo. É necessária investigação sobre a forma como medicações concomitantes podem interagir para causar ganho de peso, identificar aqueles que funcionam sinergicamente para promover obesidade e integrar ações que ajudem a orientar a prática clínica.
Entre os vários exemplos que podem ser os “vilões silenciosos”, cada um deles tem um mecanismo de ação distinto – e ainda não totalmente esclarecidos, encontram-se: medicações para o tratamento do diabetes do tipo 2 (insulina, sulfoniluréias, tiazolidinedionas ), antihipertensivos (diuréticos tiazídicos, diuréticos de alça, bloquedores de canal de cálcio, beta bloqueadores), antihistamínicos, hormônios esteróides, anticonvulsivantes, medicações psicoativas. Deve-se considerar que não são todos os representantes destas classes de remédios que tem o potencial obesogênico. Há também a avaliação médica sobre o benefício imediato ou a curto e médio prazo no controle de um quadro clínico do qual estas medicações ainda são as escolhas principais. Não se trata de não prescrever, trata-se de avaliar as possibilidades de minimizar o aumento do peso.
A prevenção é (e sempre será) uma forte aliada contra o ganho de peso pelo uso de medicações: comer mais lentamente e limitar a ingestão calórica; permanecer bem hidratado com bebidas diet / light; não pular as refeições, mas não abusar dos lanches noturnos; escolher os alimentos que atendem a ingestão diária recomendada de fibras, legumes e frutas, e evitar alimentos que contêm componentes altamente processados de gorduras, açúcar e outros carboidratos refinados.
Informar os pacientes sobre a desregulação do apetite pode levar a uma decisão conjunta na escolha de outra medicação, usar uma dose mais baixa, ou modificar os fatores ambientais. Esta tomada de decisão compartilhada pode melhorar a adesão do tratamento e os próprios pacientes prevenidos tornam-se capazes de reconhecer um aumento na ingestão calórica e sentem-se motivados a tomar as medidas preventivas antes do ganho de peso ocorrer.

A patologia gerada pela produção excessiva dos hormônios tiroidianos

         O Hipertiroidismo é a excessiva produção dos hormônios da glândula tiróide. Os sintomas mais comuns são nervosismo, irritabilidade, transpiração excessiva, pele fina, cabelos finos, dores musculares, tremores finos das mãos, taquicardia, aumento do apetite paradoxalmente à perda de peso, alterações do fluxo menstrual. Na doença de Graves (hipertiroidismo auto-imune), os olhos podem aparecer maiores inicialmente pela retração das pálpebras superiores, chegando ao caso mais extremo de “Exoftamo”, onde um ou ambos os olhos são comprometidos e têm aspecto de “saltados”.
 
            A causa mais comum de hipertiroidismo é denominada bócio difuso tóxico ou Doença de Graves, responsável por quase 80% dos casos de hipertiroidismo. Isto discrimina uma situação em que a glândula, como um todo, tem uma produção exagerada de hormônios tiroidianos e apresenta um caráter auto-imune. A presença de auto-anticorpos circulantes no sangue estimula a glândula tiróide a produzir excessivamente os hormônios e aumentar seu tamanho (bócio). Geralmente tem um caráter familiar.
Quando um ou mais nódulos da tiróide produzem mais hormônios tiroidianos são chamados respectivamente de nódulo tóxico autônomo ou bócio multinodular tóxico, e mostram um estado de hipertiroidismo.
Há uma condição que se apresenta com o hipertiroidismo em sua apresentação inicial é a tiroidite aguda. O consumo excessivo de hormônio da tireóide, a ingestão de alguns medicamentos contendo iodo em sua composição e consumo excessivo de iodo nutricional também podem levar ao hipertiroidismo.  

O diagnóstico laboratorial é realizado pela dosagem:

  • dos hormônios tiroidianos no sangue (T4, T3, T4 livre e T3 livre), que, no hipertiroidismo, encontram-se elevados.

 

  • do hormônio estimulador da tiróide, TSH, que estará abaixo dos valores normais de referência.

 

  • de anticorpos anti-tiróide ligados ao hipertiroidismo, incluindo o TRAb (no caso de Doença de Graves)

 

A cintilografia da tiróide é um exame que avalia do funcionamento excessivo da glândula tiróide e das causas do hipertiroidismo. Outro exame complementar é a ultrassonografia que mede o tamanho da tiróide e a presença de alterações anátomo-estruturais.

O tratamento deve ser individualizado e levar em consideração a idade, a causa do hipertiroidismo, a severidade e o tempo de diagnóstico do hipertiroidismo, doenças pré-existentes (cardiopatias, alergias).No Brasil há dois tipos de medicamentos anti-tiroidianos (tiamazol e propiltiouracil) que diminuem a produção excessiva dos hormônios tiroidianos, pois impossibilitam a entrada ou o aproveitamento do iodo pela tiróide e, como conseqüência, controlam o hipertiroidismo. Não é incomum os médicos associarem outros medicamentos (bloqueadores beta adrenérgicos) no controle do hipertiroidismo. Embora não diminuam os hormônios tiroidianos aliviam sintomas como: aumento da freqüência cardíaca e tremores de mãos.
Outra maneira de tratar o hipertiroidismo é administrar, sob a forma líquida ou em cápsulas, o iodo radioativo que destrói as células que produzem o hormônio da tiróide. Após semanas, a glândula diminui seu tamanho e a produção hormonal também diminui. São poucos os pacientes que necessitam uma segunda dose para seu controle e é comum ocorrer, após alguns meses da administração do iodo radioativo, a evolução para hipotiroidismo.
 O tratamento cirúrgico, com retirada parcial ou total da glândula pode ser empregado, especialmente em casos de recidiva da doença e/ ou falência do emprego dos medicamentos ou do iodo radioativo.

A ingesta de zinco está ligada a uma discreta redução no risco de diabetes tipo 2 em mulheres, mostra pesquisa.

 

Sais minerais funcionam como “co-fatores” do metabolismo no organismo. E, sem eles, as reações metabólicas ficariam desordenadas e não seriam efetivas. Diversos aspectos do metabolismo celular são zinco-dependentes, incluindo muitas enzimas envolvidas em realizar reações químicas vitais. Tem como funções: o auxilio ao sistema imunológico na defesa do organismo, ajuda na cicatrização, melhora o paladar, faz parte do desenvolvimento fetal da criança, é antioxidante (combate os radicais livres), está envolvido na expressão dos genes, faz parte da síntese de DNA, participa da estrutura das proteínas e mantém as membranas celulares íntegras. Além dessas funções, o zinco atua na síntese de hormônios e na transmissão do impulso nervoso.
A falta do zinco reduz a memória e concentração, causa hiperatividade e irritabilidade, alterações de pele (eczemas, pele seca, acne), alterações de cabelo (quedas, cabelos quebradiços e secos, calvície precoce), alterações nas unhas (quebradiças, com manchas esbranquiçadas), diminuição do olfato e inapetência. Em sua deficiência mais séria, os danos apresentam-se ainda de forma mais grave: crescimento e maturação sexual retardada, impotência, alopécia, glossite (inflamação da língua), distrofia de unhas, deficiências imunes, distúrbios do comportamento, paladar prejudicado, deficiência importante do tempo de cicatrização, alteração de apetite e ingestão alimentar e lesões oculares (fotofobia e a falta de adaptação à escuridão).
O excesso de zinco está ligado ao desenvolvimento de anemia, letargia, febre e distúrbios do sistema nervoso central, especialmente em pacientes hemodialisados. Outros sintomas ligados à toxicidade compreendem náuseas, vômitos e alterações gastro-intestinais.
O zinco é abundantemente distribuído e suas principais fontes são: carnes (sendo que as vermelhas tem maior quantidade), cereais integrais, oleaginosas (castanha do pará, castanha do caju, nozes, amendôas), sementes, leguminosas (feijão, grão de bico, ervilha).

Cerca de 2 a 3g desse mineral são encontradas no organismo de um adulto, com as maiores concentrações no fígado, pâncreas, rins, ossos e músculos voluntários. Outros tecidos com altas concentrações são partes dos olhos, glândula prostática, espermatozóides, pele, cabelos e unhas. No sangue, ele está ligado às proteínas e aos aminoácidos.
As necessidades em zinco são estimadas pela maioria dos países em 15 mg por dia. O organismo aproveita somente 5 a 10% do zinco obtido na alimentação. O estudo de sua biodisponibilidade é importante, pois há certas substâncias da dieta que modificam sua absorção. São elas: os fitatos – entre os quais algumas fibras – inibem a absorção do zinco; o álcool; os taninos; certos antibióticos (tetraciclinas e quinolonas) e os anticonceptivos orais (avaliar quando uma mulher resolve engravidar, após vários anos de uso de anticoncepcionais) responsáveis por “quelar” o nutriente zinco, diminuindo sua ação efetiva no organismo.

Alguns trabalhos demonstraram que a suplementação de zinco exerce uma influência sobre a regulação da glicemia (taxas de açúcar no sangue) e também sobre a secreção da insulina (hormônio do pâncreas). Estudo brasileiro realizado por Marreiro e cols. (2002) mostrou que um grupo de 56 mulheres obesas que suplementaram sua dieta com zinco (30mg/dia) por 4 semanas, aumentou sua sensibilidade à insulina, definindo um papel terapêutico ao mineral. A partir daí, outras pesquisas repetiram este achado.

Num trabalho de maior casuística, a maior ingestão de zinco associou-se com a discreta diminuição de risco de desenvolver diabetes do tipo 2 em mulheres, de acordo com resultados publicados pelo Dr.Qi Sun e sua equipe, da Harvard School of Public Health (Diabetes Care, 2009; 32:629-34). Estas evidências já foram comprovadas em estudos animais e de pequeno número de casos em humanos, mostrando os efeitos protetores da ingestão de zinco contra diabetes do tipo 2, mas não havia sido conduzida nenhuma grande análise prospectiva para examinar se esta associação também seria válida ao longo de anos em humanos.

O objetivo deste trabalho foi determinar a interação entre a ingestão do zinco e risco para diabetes do tipo 2 nas mulheres americanas, através de um questionário de frequência alimentar, medindo a ingestão dietética de zinco e outros nutrientes. Participaram 82.297 mulheres, com idade entre 33 a 60 anos, em seguimento de 1980 ao ano de 2004. Foram registrados 6030 casos de diabetes nestas mulheres no seguimento de 24 anos.  As mulheres que mostraram grande ingestão de zinco, comparativamente àquelas com mais baixa ingestão, desenvolveram um risco relativo discretamente menor na incidência de diabetes, mas que foi estatisticamente significativo nesta população estudada.

 Mais estudos são necessários para confirmar esta associação, explorar quais os potenciais mecanismos envolvidos, incentivar pesquisas para examinar as associações contendo zinco das várias fontes alimentícias separadamente e nos complementos vitamínicos, para que haja a melhor indicação de sua adequada suplementação e busca de estratégias de pesquisas para melhorar sua biodisponibilidade.

A saúde mostra o caminho: menor peso para uma vida longa e saudável

  

 

Os resultados de uma pesquisa com adultos mostraram que muitos sabem que suas chances de desenvolver doença coronariana e diabetes crescem quando estão acima do peso, mas apenas 25 por cento daqueles pesquisados sabiam que o risco de ter câncer também aumenta. Muitos são os trabalhos mostrando os tipos de câncer ligados à obesidade, entre eles os de: útero, esôfago, intestino, rim, leucemia, mama, mieloma múltiplo (médula óssea), pâncreas, linfoma não-hodgkin e ovário. O excesso de gordura corporal parece ser o vilão. As células de gordura são ativas na produção hormonal e fatores de crescimento, características que contribuem para acelerar a divisão e a reprodução celular. E, quanto mais células se duplicam, maiores as chances de alguma replicação ser inadequada, originando uma célula maligna. A partir daí, estes hormônios adicionais levam a uma rápida reprodução das células cancerígenas.

 

As mulheres são o maior alvo. Cerca de 60% dos casos de câncer por causa da obesidade atingem mama ou útero e a ligação entre o peso e o risco de câncer também depende do estágio de vida da mulher. O risco de câncer de mama, pela obesidade, aumenta apenas depois da menopausa, implicado com a variação de estrogênios – mais abundantes no sangue das obesas.

Já o risco de câncer de intestino é maior antes deste período. Trabalho, publicado na população japonesa, sugere que diagnóstico de adenoma colorretal (tipo de neoplasia de intestino) foi maior nos indivíduos com maiores índices de massa corpórea e, à medida que houve a redução do peso, também houve a diminuição da prevalência da doença.

  

Uma pesquisa sueca descobriu que a obesidade influencia os riscos oferecidos pelo câncer de próstata. Homens obesos têm menos chance de desenvolver a doença, mas, se são vitimados por ela, a chance de morte aumenta. Possivelmente, isto é explicado pelo baixo nível de testosterona (esteróide sexual masculino) que esta diminuída em homens obesos, mas eles podem, em contrapartida, estarem mais expostos a uma forma mais agressiva do tumor, que depende menos de testosterona.

A preocupação com o peso adequado vai muito além de valores estéticos. O investimento em um estilo de vida mais saudável hoje é garantir benefícios para uma vida mais longa no futuro.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 61 outros seguidores