Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘doenças tiroidianas’

O risco de glaucoma está associado aos problemas de tiróide, diz trabalho americano

 

A associação entre as doenças tiroidianas e o desenvolvimento do glaucoma (aumento da pressão intra-ocular) é um assunto importante, dada a alta prevalência de ambas as condições, na população em geral. Estudos, baseados em grandes amostras clínicas, seguem pesquisando, mais definitivamente, se as disfunções tiroidianas exacerbam os danos do glaucoma.

No hipertiroidismo da Doença de Graves, a doença oftalmológica leva a inflamações da musculatura ocular e gordura orbitária. Pode ocorrer a expansão de tecidos e partes moles do olho e a órbita não conseguir acomodar-se a esta nova situação. Na tentativa de adaptação, ocorre a protusão do globo ocular (conhecida como proptose ou exoftalmia), mas é uma tentativa de ‘descompressão’ espontânea e limitada, que, ao evoluir para casos mais graves, resulta em ceratite, úlceras por exposição, limitação da motilidade ocular. Também este aumento do volume orbitário, resultado da contração da musculatura extra-ocular contra a adesão intra-orbital ou congestão da órbita, pode causar diminuição no retorno venoso e glaucoma.

No caso do hipotiroidismo, há o acúmulo de substâncias chamadas mucopolissacárides (ou glicosaminoglicanos e hialunônicos), responsáveis por carregar a água que estava no interior das células para compartimento fora delas, resultando no edema (‘inchaço”), característico desta doença. O excesso destas substâncias também ocorre dentro da trabécula (tecido esponjoso e fino do olho, que drenam o líquido que preenche as câmaras oculares, ou humor aquoso).  O humor aquoso não é expelido na mesma quantidade em que é produzido e este excesso vai causar o aumento da pressão intra- ocular, afetando, progressivamente, a parte mais frágil do olho – o nervo óptico.

Há muitos mecanismos propostos pelos quais as doenças tiroidianas e seu tratamento afetam o desenvolvimento do glaucoma, afirma o Dr. J.M. Cross, da Universidade do Alabama, em Birmingham. O trabalho foi publicado por ele e sua equipe no British Journal of Ophthalmology com o objetivo de examinar a associação entre a história de problemas tiroidianos e glaucoma, referida pelo próprio paciente, em um estudo demográfico americano (US-based 2002 National Health Interview Survey), envolvendo 12.376 indivíduos.

A prevalência geral de glaucoma em toda a população estudada foi 4,6% e a prevalência geral de problemas tiroidianos foi de 11,9%. Nos indivíduos com problemas tiroidianos, 6,5% afirmavam também a associação com glaucoma, permanecendo significativa, mesmo depois de realizados os ajustes estatísticos para verificar as diferenças entre idade, sexo, raça e tabagismo. As limitações deste estudo foram: a confiabilidade da informação fornecida pelo próprio paciente, a falta de discriminação sobre o tipo de glaucoma e/ou a classificação exata do problema tiroidiano, bem como a severidade e tempo de duração destas doenças, a inabilidade em estabelecer a relação temporal entre o problema tiroidiano e glaucoma, a falta de informação sobre seguimento e tratamento dado aos pacientes.

A partir destes resultados, o estudo sustenta a hipótese de que desordens tiroidianas podem aumentar o risco de glaucoma, mas as pesquisas devem continuar, avaliando os potenciais mecanismos de ação e verificando se o tratamento para o problema tiroidiano também reduziria, subseqüentemente, o risco para o glaucoma.

Anúncios

Read Full Post »

Estudo aposta em mecanismos genéticos comuns para as diferentes doenças

 

A associação entre diferentes doenças auto-imunes não é rara e, atualmente, pesquisa-se as razões comuns para que ocorram. Uma das associações estudadas é a presença concomitante de doença celíaca (que causa intolerância ao glúten) e doenças tiroidianas.

A doença celíaca é uma doença auto-imune do intestino delgado, devida à atrofia das vilosidades da mucosa, o que gera malabsorção dos nutrientes e tem, como resultado, diarréia crônica e suas repercussões: emagrecimento, distenção abdominal, inchaço das pernas e outros sinais de desnutrição protéico-calórica.

Geralmente aparece na infância, nas crianças com idade entre um e três anos, mas pode surgir a qualquer momento, inclusive nas pessoas adultas. Afeta de 0,5% a 1% da população em geral, acometendo duras vezes mais mulheres que homens. No Brasil, dos poucos dados existentes, o estudo de doadores de sangue saudáveis apresentou doença celíaca não diagnosticada na fração 1/681 dos estudados por Gandolfi et al, em 2000, revelando que também não é infreqüente em nosso meio.

A doença começa após a introdução de certos cereais – aveia, cevada, centeio ou trigo, que contém glúten – na alimentação. Estes alimentos têm gliadina – uma fração protéica – que é a responsável pelo dano na mucosa intestinal. As causas, ainda em estudo, poderiam ser: predisposição genética, falta enzima digestiva e formação de anticorpos. Os anticorpos presentes e importantes ao diagnóstico, os anticorpos anti-gliadina e anti-transglutaminase tecidual (tTG), têm valor equivalente ao da biópsia e podem ser obtidos em nosso meio. O anticorpo anti-endomísio, dosado até há pouco tempo, foi substituído – com vantagem – pelo anti-tTG.

Dr. Peter Elfstrom e sua equipe usaram dados dos registros nacionais suecos e conduziram um estudo pesquisando o risco de aparecimento da doença de tiróide em 14.021 indivíduos portadores portadores de doença celíaca, entre 1964 e 2003, comparados a 68.068 indivíduos saudáveis. Publicados no Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, os resultados mostraram que a doença celíaca esteve associada com hipotiroidismo (com chances quatro vezes maiores, se comparados aos indivíduos saudáveis), com tiroidite (3,6 vezes mais) e hipertireoidismo (2,9 vezes mais comum nos celíacos). Este é o primeiro estudo a apresentar um aumento significativo do risco do hipertireodismo nesses indivíduos. O reverso também foi comprovado: os portadores de doença tiroidiana desenvolviam um risco maior para associação com doença celíaca, quando comparados às pessoas sem qualquer alteração desta glândula.

Os mecanismos que agrupam a doença celíaca e a doença tiroidiana são desconhecidos. Talvez a associação mostre um aumento na auto-imunidade desses indivíduos, refletindo fatores de risco genéticos compartilhados, incluindo variações nos antígenos leucocitários humanos (abreviação em inglês de HLA) e do CTLA4 (cytotoxic T-lymphocyte-associated protein-4). De acordo com o Dr. Elfstrom, as estimativas do risco mais elevado da doença celíaca foram encontradas nas crianças, provavelmente porque a tiroidite auto-imune é a causa mais comum de tiroidopatia nessa faixa etária e, nos adultos, as causas não auto-imunes também são comuns. O investigador concluiu que os clínicos devem ficar atentos para as condições em que existam sintomas compatíveis com essas patologias e lembrarem-se de testar a possível associação, não tão incomum.

Read Full Post »

Como um exame de imagem ajuda a desvendar as doenças tiroidianas 

 

Dizemos que um exame de imagem é sempre “operador dependente”, ou seja, cada um que o realiza tem um olho que vê de uma determinada maneira, mesmo havendo sistematizações e treino para as mesmas estruturas do corpo. Isso significa que a experiência e a especialização, em um determinado exame, são muito válidas e, claro, como todo exame é um “ator coadjuvante”: serve, juntamente com a clínica, para auxiliar um diagnóstico. Assim é a ultrassonografia – e não seria diferente na de tiróide.

 

Os nódulos tiroidianos são palpados em exames físicos em cerca de 10% da população. Em um exame ultrassonográfico de tiróide isso aumenta em até 67%, segundo algumas séries de estudos, pela sensibilidade deste método. Sabemos que um nódulo ou cisto de 2mm já é visualizado, o que o torna uma excelente ferramenta, quando em boas mãos.

 

Mas quando, realmente, a ultrassonografia de tiróide faz a diferença?

 

Os portadores de nódulos tiroidianos, sua grande maioria, não apresentam sintomas, que são achados acidentalmente durante a realização de exame rotineiro. Além disso, 90% desses nódulos são benignos, mas a preocupação com os 10% restantes é que aflige quem recebeu o resultado.

 

Afinal, quais os nódulos que devem ser investigados?

 

Existem carasterísticas, que devem ser observadas, para considerarmos um nódulo “suspeito”. Em especial para os nódulos acima de 1cm em seu maior diâmetro:

 

– Nódulos sólidos e hipoecóicos (escuros em relação ao restante do tecido da glândula tiróide);

– Nódulos com maior parte sólida e pequena parte cística ou líquida em seu interior (ou seja, nódulos conhecidos como mistos, mas predominantemente sólidos);

– Nódulos com micro calcificações em seu interior;

– Nódulos com contornos irregulares.

 

Quando presentes uma ou mais dessas caraterísticas, o nódulo dever ser examinado com uma punção aspirativa por agulha fina (coleta de células de dentro do nódulo) para verificar se há presença de células sugestivas para malignidade. Na verdade, a ultrassonografia de tiróide decide, em última análise, qual nódulo é mais suspeito. Outro benefício é o uso do Doppler, um recurso que, segundo alguns autores, pode ajudar a diferenciar os nódulos pelo tipo de distribuição e grau de vascularização encontrada.

 

É importante registrar que algumas características da tiróide modificam-se se estiverem presentes doenças auto-imunes, como hipo ou hipertiroidismo. O parênquima (tecido que forma a glândula) pode estar mais heterogêneo e mesmo mais hipoecóico, além de apresentar variações de seu tamanho, sugerindo, inclusive, a fase em que se encontra a doença. Em fases iniciais, o volume da tiróide pode aumentar e, ao final, apresentar-se bem diminuído (atrófico).

 

Outra função da ultrassonografia de tiróide é, naqueles pacientes já operados por câncer, quando foi feita a retirada de toda a glândula, verificar se o restante da região do pescoço tem linfonodos (gânglios) que poderiam significar uma metástase regional.

 

Como se pode perceber, após todas essas informações, a realização de uma ultrassonografia de tiróide detalhada e sua correta interpretação fornecerão informações de grande valia, indo além de uma análise somente anatômica, alcançando o diagnóstico e acompanhamento das doenças tiroidianas.

 

Read Full Post »