Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘medicina’

A ingesta de zinco está ligada a uma discreta redução no risco de diabetes tipo 2 em mulheres, mostra pesquisa.

 

Sais minerais funcionam como “co-fatores” do metabolismo no organismo. E, sem eles, as reações metabólicas ficariam desordenadas e não seriam efetivas. Diversos aspectos do metabolismo celular são zinco-dependentes, incluindo muitas enzimas envolvidas em realizar reações químicas vitais. Tem como funções: o auxilio ao sistema imunológico na defesa do organismo, ajuda na cicatrização, melhora o paladar, faz parte do desenvolvimento fetal da criança, é antioxidante (combate os radicais livres), está envolvido na expressão dos genes, faz parte da síntese de DNA, participa da estrutura das proteínas e mantém as membranas celulares íntegras. Além dessas funções, o zinco atua na síntese de hormônios e na transmissão do impulso nervoso.
A falta do zinco reduz a memória e concentração, causa hiperatividade e irritabilidade, alterações de pele (eczemas, pele seca, acne), alterações de cabelo (quedas, cabelos quebradiços e secos, calvície precoce), alterações nas unhas (quebradiças, com manchas esbranquiçadas), diminuição do olfato e inapetência. Em sua deficiência mais séria, os danos apresentam-se ainda de forma mais grave: crescimento e maturação sexual retardada, impotência, alopécia, glossite (inflamação da língua), distrofia de unhas, deficiências imunes, distúrbios do comportamento, paladar prejudicado, deficiência importante do tempo de cicatrização, alteração de apetite e ingestão alimentar e lesões oculares (fotofobia e a falta de adaptação à escuridão).
O excesso de zinco está ligado ao desenvolvimento de anemia, letargia, febre e distúrbios do sistema nervoso central, especialmente em pacientes hemodialisados. Outros sintomas ligados à toxicidade compreendem náuseas, vômitos e alterações gastro-intestinais.
O zinco é abundantemente distribuído e suas principais fontes são: carnes (sendo que as vermelhas tem maior quantidade), cereais integrais, oleaginosas (castanha do pará, castanha do caju, nozes, amendôas), sementes, leguminosas (feijão, grão de bico, ervilha).

Cerca de 2 a 3g desse mineral são encontradas no organismo de um adulto, com as maiores concentrações no fígado, pâncreas, rins, ossos e músculos voluntários. Outros tecidos com altas concentrações são partes dos olhos, glândula prostática, espermatozóides, pele, cabelos e unhas. No sangue, ele está ligado às proteínas e aos aminoácidos.
As necessidades em zinco são estimadas pela maioria dos países em 15 mg por dia. O organismo aproveita somente 5 a 10% do zinco obtido na alimentação. O estudo de sua biodisponibilidade é importante, pois há certas substâncias da dieta que modificam sua absorção. São elas: os fitatos – entre os quais algumas fibras – inibem a absorção do zinco; o álcool; os taninos; certos antibióticos (tetraciclinas e quinolonas) e os anticonceptivos orais (avaliar quando uma mulher resolve engravidar, após vários anos de uso de anticoncepcionais) responsáveis por “quelar” o nutriente zinco, diminuindo sua ação efetiva no organismo.

Alguns trabalhos demonstraram que a suplementação de zinco exerce uma influência sobre a regulação da glicemia (taxas de açúcar no sangue) e também sobre a secreção da insulina (hormônio do pâncreas). Estudo brasileiro realizado por Marreiro e cols. (2002) mostrou que um grupo de 56 mulheres obesas que suplementaram sua dieta com zinco (30mg/dia) por 4 semanas, aumentou sua sensibilidade à insulina, definindo um papel terapêutico ao mineral. A partir daí, outras pesquisas repetiram este achado.

Num trabalho de maior casuística, a maior ingestão de zinco associou-se com a discreta diminuição de risco de desenvolver diabetes do tipo 2 em mulheres, de acordo com resultados publicados pelo Dr.Qi Sun e sua equipe, da Harvard School of Public Health (Diabetes Care, 2009; 32:629-34). Estas evidências já foram comprovadas em estudos animais e de pequeno número de casos em humanos, mostrando os efeitos protetores da ingestão de zinco contra diabetes do tipo 2, mas não havia sido conduzida nenhuma grande análise prospectiva para examinar se esta associação também seria válida ao longo de anos em humanos.

O objetivo deste trabalho foi determinar a interação entre a ingestão do zinco e risco para diabetes do tipo 2 nas mulheres americanas, através de um questionário de frequência alimentar, medindo a ingestão dietética de zinco e outros nutrientes. Participaram 82.297 mulheres, com idade entre 33 a 60 anos, em seguimento de 1980 ao ano de 2004. Foram registrados 6030 casos de diabetes nestas mulheres no seguimento de 24 anos.  As mulheres que mostraram grande ingestão de zinco, comparativamente àquelas com mais baixa ingestão, desenvolveram um risco relativo discretamente menor na incidência de diabetes, mas que foi estatisticamente significativo nesta população estudada.

 Mais estudos são necessários para confirmar esta associação, explorar quais os potenciais mecanismos envolvidos, incentivar pesquisas para examinar as associações contendo zinco das várias fontes alimentícias separadamente e nos complementos vitamínicos, para que haja a melhor indicação de sua adequada suplementação e busca de estratégias de pesquisas para melhorar sua biodisponibilidade.

Read Full Post »

O risco de glaucoma está associado aos problemas de tiróide, diz trabalho americano

 

A associação entre as doenças tiroidianas e o desenvolvimento do glaucoma (aumento da pressão intra-ocular) é um assunto importante, dada a alta prevalência de ambas as condições, na população em geral. Estudos, baseados em grandes amostras clínicas, seguem pesquisando, mais definitivamente, se as disfunções tiroidianas exacerbam os danos do glaucoma.

No hipertiroidismo da Doença de Graves, a doença oftalmológica leva a inflamações da musculatura ocular e gordura orbitária. Pode ocorrer a expansão de tecidos e partes moles do olho e a órbita não conseguir acomodar-se a esta nova situação. Na tentativa de adaptação, ocorre a protusão do globo ocular (conhecida como proptose ou exoftalmia), mas é uma tentativa de ‘descompressão’ espontânea e limitada, que, ao evoluir para casos mais graves, resulta em ceratite, úlceras por exposição, limitação da motilidade ocular. Também este aumento do volume orbitário, resultado da contração da musculatura extra-ocular contra a adesão intra-orbital ou congestão da órbita, pode causar diminuição no retorno venoso e glaucoma.

No caso do hipotiroidismo, há o acúmulo de substâncias chamadas mucopolissacárides (ou glicosaminoglicanos e hialunônicos), responsáveis por carregar a água que estava no interior das células para compartimento fora delas, resultando no edema (‘inchaço”), característico desta doença. O excesso destas substâncias também ocorre dentro da trabécula (tecido esponjoso e fino do olho, que drenam o líquido que preenche as câmaras oculares, ou humor aquoso).  O humor aquoso não é expelido na mesma quantidade em que é produzido e este excesso vai causar o aumento da pressão intra- ocular, afetando, progressivamente, a parte mais frágil do olho – o nervo óptico.

Há muitos mecanismos propostos pelos quais as doenças tiroidianas e seu tratamento afetam o desenvolvimento do glaucoma, afirma o Dr. J.M. Cross, da Universidade do Alabama, em Birmingham. O trabalho foi publicado por ele e sua equipe no British Journal of Ophthalmology com o objetivo de examinar a associação entre a história de problemas tiroidianos e glaucoma, referida pelo próprio paciente, em um estudo demográfico americano (US-based 2002 National Health Interview Survey), envolvendo 12.376 indivíduos.

A prevalência geral de glaucoma em toda a população estudada foi 4,6% e a prevalência geral de problemas tiroidianos foi de 11,9%. Nos indivíduos com problemas tiroidianos, 6,5% afirmavam também a associação com glaucoma, permanecendo significativa, mesmo depois de realizados os ajustes estatísticos para verificar as diferenças entre idade, sexo, raça e tabagismo. As limitações deste estudo foram: a confiabilidade da informação fornecida pelo próprio paciente, a falta de discriminação sobre o tipo de glaucoma e/ou a classificação exata do problema tiroidiano, bem como a severidade e tempo de duração destas doenças, a inabilidade em estabelecer a relação temporal entre o problema tiroidiano e glaucoma, a falta de informação sobre seguimento e tratamento dado aos pacientes.

A partir destes resultados, o estudo sustenta a hipótese de que desordens tiroidianas podem aumentar o risco de glaucoma, mas as pesquisas devem continuar, avaliando os potenciais mecanismos de ação e verificando se o tratamento para o problema tiroidiano também reduziria, subseqüentemente, o risco para o glaucoma.

Read Full Post »

(mais…)

Read Full Post »

Falta de gordura também causa baixa auto-estima e pode estar ligada a problemas de ordem emocional 

 

Temos sempre o hábito de falarmos em peso e lembrarmos da obesidade e suas conseqüências. De fato, a obesidade tornou-se uma epidemia neste nosso mundo de comida rápida, gordurosa, e pessoas sem motivação para se exercitar regularmente. Mas, com o perdão do trocadilho, há o outro lado da balança! Assim como as pessoas obesas lutam para emagrecer, muitas pessoas magras desejam ganhar quilos a mais.

Sentir-se muito leve culmina com a vergonha de expor o corpo. Isso faz com que os magros procurem o médico e recorram a tratamentos para engordar por não se sentir adequados ao seu próprio corpo e até expressar inibições sexuais ou ser vítimas de preconceito. Esconder-se em roupas “estratégicas”, apertar todas as calças na costureira e até colocar enchimentos podem ser medidas extremas para aqueles que necessitam da “sustância”, tão procurada pelos “desprovidos de gordura”. Ser magro, neste ponto-de-vista, é um problema que pode gerar baixa auto-estima.

O tratamento baseia-se em determinar inicialmente se a pessoa é de constituição magra ou emagreceu involuntariamente.  O emagrecimento sem causa aparente deve ser investigado e pode ocorrer por alguma doença que ainda não tenha se manifestado completamente.

Diabetes, hipertiroidismo e doenças infecciosas  – como AIDS e tuberculose, câncer, insuficiência renal ou hepática são problemas que levam à perda de peso. Porém, hoje em dia, muitos especialistas consideram possível a causa estar ligada a distúrbios emocionais.

Nestes casos, a dieta hipercalórica e hiperproteica é a indicada no tratamento, com várias pequenas porções ao longo do dia. Sim, é a mesma dinâmica de quem quer emagrecer! Comer bem e saudavelmente é prática difícil de ser seguida tanto por obesos quanto por magros. Mas estes últimos têm um agravante: comem para saciar a fome, não por gula, e compensam os problemas emocionais não comendo.

Então, não seria tão complexo: comer muitos alimentos, incluindo proteínas, em pequenas porções, várias vezes ao dia e pronto! Mas não é bem assim. O cardápio não contém doces ou pratos gordurosos e o aumento da ingestão é baseada em carnes magras e carboidratos complexos (massas, arroz, cereais – integrais de preferência) de absorção mais lenta pelo organismo.

Os medicamentos para aumentar o apetite (orexígenos) geralmente não são utilizados no tratamento. O ideal é que os novos hábitos  alimentares sejam adquiridos, mas as suplementações com polivitamínicos e/ou minerais podem ser artifícios auxiliares, após a avaliação detalhada de um especialista.

Não é só comer o que é certo! É preciso ingerir proteínas e carboidratos para formar músculos, o que significa aumentar o peso de forma saudável, ganhando massa magra (músculos) em detrimento à massa gorda. Além disso, há sempre a máxima e verdadeira: “músculos pesam mais que gordura”! Por isso, para o aumento da massa muscular é necessária a prática de exercícios de força, sempre orientados por um profissional da área.  A musculação, que exercita grupos musculares localizados, quando realizada regularmente e em conjunto com uma dieta balanceada garantem o sucesso dos quilos a mais.

Pense em dispensar dos ombros este peso que é ser magro. Inicie com atitudes motivadoras:

  • Não pule os horários das refeições. Faça, inclusive, os lanches intermediários durante o dia, caso tenham sido programados, evitando ficar longos períodos sem alimentar-se;
  • Tente não cair em tentação de ficar “beliscando” fora do programado. Você pode não conseguir alimentar-se adequadamente na refeição posterior;
  • Coma as porções adequadas e permitidas, devagar, mastigando bem os alimentos;
  • Procure realizar suas refeições em locais tranqüilos e agradáveis;
  • Evite guloseimas, doces recheados ou alimentos muito gordurosos, tentando assimilar o conceito da comida saudável para “formar músculos”;
  • Faça da sua reeducação alimentar e da atividade física momentos de prazer e descoberta pessoal;
  • Entenda-se da melhor maneira com seu corpo: dê um tempo para que as mudanças ocorram e participe delas!

Read Full Post »

Adolescentes filhos de mães com alterações na glicemia têm maior chance de sobrepeso

 

Muito mais freqüente – e até motivo de preocupação – tem sido a prevalência da obesidade, síndrome metabólica e suas complicações na infância e adolescência. Comprovadamente, a maioria dos adolescentes transforma-se em adultos obesos.

Já é bem estudado, em algumas populações, que a maior freqüência de obesidade e diabetes na infância e adolescência ocorre em indivíduos filhos de mães diabéticas ou nos filhos daquelas que desenvolveram diabetes gestacional – o que demonstra que alterações metabólicas e hormonais maternas determinam morbidades futuras para os familiares.

O peso ao nascimento (tanto para bebês nascidos grandes, quanto pequenos, para idade gestacional) também está muito relacionado com o risco futuro de desenvolvimento tanto de obesidade quanto de diabetes.

Como podemos determinar, a partir do peso fetal, quem será obeso ou mesmo diabético? Ainda não está completamente esclarecido o mecanismo de ação que, a princípio, refere-se à hiperglicemia (aumento de açucar no sangue) materna, determinando uma hiperinsulinemia (aumento da insulina) no feto.

Pesquisas, cujas variações do metabolismo da glicose materna e o desenvolvimento fetais como a de Lindsay et al, em 2000, provaram que durante a gestação de mães com açúcar elevado no sangue, o pâncreas fetal trabalha forçadamente. Isso acontece porque há uma hiperestimulação prematura das células β pancreáticas, responsáveis pela produção de insulina, provocando a elevação da concentração desta substância no líquido amniótico – e estas alterações hormonais no feto desregulam centros nervosos centrais no controle do metabolismo e do peso.

Inúmeros trabalhos desenvolvidos depois mostram que em diferentes graus a hiperglicemia, à medida que avança de normal a intermediária, até chegar ao diabetes propriamente dito, associa-se diretamente à ocorrência de obesidade ou sobrepeso nos filhos.

Um trabalho realizado na Universidade Federal do Estado de São Paulo (Unesp), por Buzinaro et al, estudou filhos de mães que tiveram o teste para diabetes normal, mas com algum valor de glicemia alterado (pré-diabetes) e filhos de mães com diabetes gestacional, comparando-os a um grupo de filhos de mulheres sem alterações. O peso de nascimento, índice de massa corporal (IMC) e maior ocorrência de sobrepeso e obesidade na infância e adolescência foi relatado nos casos de filhos de mães diabéticas. Também estavam presentes, em menor escala, nos filhos de mães pré-diabéticas.

Se houver a detecção precoce da hiperglicemia na gestação, provavelmente a ocorrência de sobrepeso e mesmo obesidade na adolescência poderá diminuir.

Além disso, os filhos destas mães precisam ser acompanhados e incentivados, o quanto antes seja possível, a ter hábitos de vida saudáveis, em carater preventivo.

preventivo.

Read Full Post »

Obesos têm chance maior de apnéia durante o sono devido ao estresse oxidativo celular

 

Todos sabemos que acordar muito durante o sono, que deveria ser reparador, é prejudicial à qualidade de vida. Isto pode ser apnéia do sono. E, muitos estudos mostram, que obesos têm a maior propensão a apresentar distúrbios do sono como a hipopnéia e apnéia do sono.

A apnéia obstrutiva do sono (AOS) caracteriza-se por uma interrupção total do fluxo aéreo (parada da respiração) por mais de dez segundos. Já a hipopnéia é a interrupção parcial desta entrada de ar. A consequência disto é uma queda da saturação de oxigênio do sangue, levando ao despertar do indivíduo.

Trabalhos mostram mais de 5% da população ocidental sofrendo desse problema, mais comum em homens (4%) que em mulheres (2%) até a menopausa, quando os números se igualam.

A AOS, assim como a obesidade, está relacionada à ocorrência de doenças cardio-vasculares e suas morbidades (hipertensão arterial, resistência insulínica, dislipidemia) e o mecanismo de ação que une essas duas relaciona-se ao estresse oxidativo que atinge o endotélio (camada interna dos vasos sangüíneos), cuja função é mediar a inflamação, coagulação e manter a fluidez do sangue nos vasos por meio do controle de seu tônus vasomotor. Isso ocorre por conta da produção e liberação de substâncias vasoativas (por exemplo, óxido nítrico).

Condições como excesso de peso e AOS promovem alterações na liberação dessas substâncias vasoconstritoras e vasodilatatoras, causando a disfunção endotelial. O desequilíbrio propicia um aumento da produção de radicais livres e dos fatores inflamatórios, além de promover a elevação das catecolaminas na circulação sangüínea. Essas alterações bioquímicas também são comuns nos indivíduos infartados e/ou com derrame cerebral, entre outras alterações vasculares.

Como os radicais livres e o estresse oxidativo estão ligados ao envelhecimento, atacam o endotélio e estão presentes em várias condições clínicas graves, sendo assim tão adversos à saúde, a prevenção ainda é o melhor tratamento para garantir uma função endotelial mais adequada.

Trocando em miúdos, estar no peso adequado pode contribuir para um sono de qualidade e ainda prevenir riscos de algumas complicações cardio-metabólicas.

Boa noite!

Read Full Post »

Estudo italiano mostra piora da função tiroidiana em gestantes que não tiveram boa suplementação de iodo

 

Mulheres que vivem em áreas com ingestão pobre em iodo deveriam utilizar sal iodado por, pelo menos, dois anos antes de engravidar, para prevenir falência tiroidiana durante a gestação e proteger o feto contra os efeitos adversos da deficiência de iodo no desenvolvimento cerebral.

Esta foi a conclusão de um estudo longitudinal prospectivo, conduzido na universidade de Messina (Itália) e publicado no Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, que verificou a função tiroidiana de 100 gestantes de uma área deficiente em iodo e que eram eutiroidianas (tinham função tiroidiana normal) entre as 6 e as 9 semanas de gestação. A maioria delas, 62 das mulheres, tinha o hábito de consumir sal iodado e o fizeram por, no mínimo, dois anos antes da gestação. Já as outras 38 não utilizavam sal iodado antes da gestação.

De acordo com o autor e coordenador da pesquisa, Dr. Francesco Vermiglio, a taxa de falência tiroidiana das mães que usaram o sal iodado por pouco tempo for quase seis vezes maior se comparada à das mães que já faziam uso do sal iodado previamente (38,8% vs. 6,4%).

Outra observação, feita pelos pesquisadores, foi que os níveis de tireoglobulina, T3 e T4 totais eram menores em mulheres que usaram o sal iodado antes de engravidar (quando comparados aos das que iniciaram durante a gestação) e que a média de T4 livre foi consistentemente mais alta e dentro da variação normal para os específicos trimestres, na maioria dos casos. Isso resultou em uma prevalência muito baixa de falência tiroidiana materna durante a gestação, cuja manifestação foi a hipotiroxemia (baixa concentração de hormônios tiroidianos) isolada que ocorreu, quase que exclusivamente, no final da gestação. Mesmo a hipotiroxemia materna leve pode interferir no desenvolvimento mental fetal.

Mesmo a mulher usando o sal iodado por anos, pode ainda não ser suficiente para manter o nível de iodo necessário durante a gestação. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o nível adequado de ingestão diária nos períodos de gestação e lactação é de 250 mcg. A suplementação de um polivitamínico pré-natal contendo quantidades adequadas de iodo deve ser fortemente encorajada especialmente para as mulheres (grávidas ou que pretendem engravidar) de regiões limítrofes ou deficientes na nutrição de iodo.

 

Read Full Post »

Older Posts »